gengivite

se os prédios são os dentes da cidade, haja Corega!

tem casal transando em Xangai;

mulher parindo em Paris;

banho de banheira em Byron Bay. 

na Tijuca, esqueci as chaves de casa. 

e um ventilador de teto no décimo andar nada significa pra uma barata de bueiro, 
assim como eu não acredito em vida fora da Terra. 

que bafo danado tem o Rio!, se os viadutos salivam. e nós, bactérias ou resto de comida? 

a diferença tá em consumir ou ser consumido.
 
alguém deve estar vendo algum S02EP08 em algum lugar do mundo.

//

pets

"você é gente de cachorro ou de gato?"

olha, última vez que eu chequei... eu era gente de carne, osso e uns pulmões e fígado meio cinzas. 

a verdade é que sendo bonitin e cagando no lugar certo, gosto de qq um.

//

primário

a tia de alguma série, implacável, insistia na pergunta:

"o ser humano...?" a gente, moleque insuportável, se orgulhava em encher a boca:

"nasce, cresce, se reproduz e morre!" 
pô, tia,
custava ter nos preparado um pouco mais e dito que tem coisa pra caralho no meio disso?
e bota "cresce" ali, viu?

//

receita

a minha mãe é médica.
aí eu perguntei pra minha mãe:
"mãe, tem alguma vitamina que ajude a reduzir ou eliminar as dores do coração?" ela, cheia de graça:
"porra, meu filho! se a dor do coração é dessa vida a melhor vitamina de todas!" 
cumpra-se, doutora.

//

apagou

faço do trago um trato feito:
o último dos moicanos serás tu! 

assim como se encerra
uma fase de
quatro belíssimos períodos,
também nós dois precisaremos nos distanciar, camarada.


maldito cigarro, o Garam!
a gente nunca sabe:
se essa porra tá vencida;
se eu que tô podre;
se é falso ou não;
a procedência dessa especiaria asiática.


malandro, 
de onde vem essa porra???? por vezes, 
a baixa da pressão é o auge
de um porco dia.
pode ser o ajuste final:
queijo no macarrão, 
leite ninho no açaí, 
um carinho nas bolas,
bombril na antena,
o fechar de um caixão? 
seja o que for, é certo que:
tivemos nossos bons momentos,
mas é dada a hora da despedida.

antes que a morte nos separe. (ouatéapróximaquinta)

//

paradão

colé a do cristo redentor?
será que só quer ver e ser visto, 
tipo urubu de night?
ou será mesmo um cara místico,
meio tia dos signos?
que ele é clichê eu já pesquei;
que não manda na minha cidade eu sei;
o olhar dele vai tão longe quanto o
ego do que se diz carioca permite.
é tão rígido que não alcança pontos onde o sol incide.


mesmo com essa nossa questão, o cara não me falha em chamar atenção. 
mas, passando só por passar, eu tenho que perguntar: 
cristo, tu suspenso aí em cima, maravilha do mundo moderno, com dor nesses braços esticados há anos, olhar 
fixo no horizonte alaranjado,


colé a tua?

//

paulixtano

fala, Sampa! senta, vamos conversar. 
vamo combinar que: 
longe, guardo sua caveira
perto, tenho uma amante
ausente, é só food truck
presente, vida e atmosfera
não saberei definir a tempo
antes de ser engolido
pela selva de préda
aliás,
você sabia que há mais de 20 rios debaixo de todo esse asfalto?
meu,
quequetáacontecendo?

//

ah, man!

dentro do café (com leite) dos campeões, uma lua minguante e um universo de possibilidades. 
desenhando a coisa, uns tais duns "átomos" sobre os quais eles insistem em falar, mas que eu, sinceramente,
nunca vi.
comum a esse rolo, um salto imenso de fé, "no que quer que se invista". é que é tudo coisa que o olho não vê, 
só que a gente é tenaz em querer dar nome; 
alguns são aceitos.